Pesquisa publicada na Nature dia 14 de julho mostra que o descontrole das queimadas da Amazônia já faz com que a floresta emita três vezes mais CO2 do que consegue absorver. O desmatamento descontrolado no sudeste amazônico está diminuindo a capacidade da floresta entre o Pará e o Mato Grosso de absorver gás carbônico da atmosfera. As queimadas têm transformado essa região que faz fronteira com o Cerrado numa fonte de emissão de CO2 . A região também está com muito menos chuvas, temperaturas mais altas e inflamabilidade maior (risco de fogo).

“Somando Pará e norte de Mato Grosso, por exemplo, essas regiões estão em média 30% desmatadas e apresentam uma emissão de carbono total 10 vezes maior do que a emissão no lado oeste, que em média está 11% desmatada. O impacto desse processo é muito grande e não é linear.”

– explica Luciana Gatti, coordenadora do Laboratório de Gases de Efeito Estufa do Inpe e líder do estudo

A pesquisa também mostrou que em regiões onde a floresta está protegida, essa inversão do fluxo de carbono ainda não aconteceu.  Para Gatti, só é possível mudar o curso apontado no estudo com o fim imediato do desmatamento na Amazônia e com um esforço real do governo em grandes projetos de recuperação.  

Saiba mais:

“Parte da Amazônia já atingiu “ponto de virada”, sugere estudo” – Observatório do Clima: https://bit.ly/36WLZfr

“Amazonia as a carbon source linked to deforestation and climate change”- Nature: https://go.nature.com/3iFTpcj

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.