Acidificação dos oceanos

Os fitoplânctons absorvem CO2 e liberam oxigênio, como as plantas terrestres. Como os oceanos cobrem 70% da superfície do planeta, esses organismos fotossintetizantes chegam a absorver cerca de 1/4 de todo CO2 gerado na superexploração e uso de combustíveis fósseis (petróleo, carvão, gás natural) e gerados pelo desmatamento. Ao longo da história, estima-se que mais de 30% do CO2 emitido pela ação humana foi parar nos oceanos.

Como o excesso de CO2 na água torna a água mais ácida e reduz o carbonato de cálcio, essencial para as espécies calcificadoras?

Quando o CO2 é absorvido pelos oceanos, ele reage com a água e se transforma em ácido carbônico (H2CO3). Esta é uma molécula extremamente instável. Quando ela perde um íon de hidrogênio, transforma-se em bicarbonato (HCO3). Quando ela perde o outro íon de hidrogênio, transforma-se em carbonato (CO3). Os hidrogênios livres na água vão deixando a água mais ácida. O carbonato, por sua vez, tende a se ligar novamente com os hidrogênios livres, voltando a ser bicarbonato (ciclo),  impedindo a formação de carbonato de cálcio (CaCO3). 

Assim, uma água muito ácida faz decair o carbonato de cálcio, a matéria-prima necessária utilizada  por diversos organismos marinhos na calcificação, ou seja, na formação de conchas, esqueletos, moluscos e corais. A falta de carbonato de cálcio na água também prejudica os organismos que formam os plânctons, e toda cadeia alimentar marinha também é impactada.

O pH da água é importante para manter o equilíbrio da vida aquática. A acidificação oceânica atual tem impacto nas espécies e ecossistemas marinhos e até na segurança alimentar global.

Saiba mais:

Avaliação do ciclo de carbono do oceano – Ciência e Clima: https://bit.ly/3MZaPim

PDF Oceanic sinks for atmospheric CO2 – Plant, Cell and Environment: https://bit.ly/3waFtzyAn Updated Synthesis of the Impacts of Ocean Acidification on Marine Biodiversity- UNEP: https://bit.ly/3e3eVn6

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.