Monocultura esgota aquífero

A falta de controle e regulamentação do uso de água para irrigação de monocultura de commodities tem produzido péssimos casos no mundo. Na Árabia Saudita, o agronegócio esgotou a água do maior aquífero saudita em 30 anos. O resultado não poderia ter sido mais infeliz: oásis milenares secaram e os próprios fazendeiros perderam seus negócios. Este caso de estudo não é um fato isolado e mostra o risco de muitas regiões do mundo que deixam de cuidar de seus mananciais e aquíferos.

No Brasil, até tínhamos uma norma para proteção dos mananciais e exploração da água para irrigação, mas o Conama derrubou na fatídica reunião com o ex-ministro Ricardo Salles em que houve uma revogação de normas de baciada: fim da proteção das APPS, dos mangues/restingas e fim das “normas para irrigação”.

A interferência das multinacionais do agronegócio nos governos acontece aqui, na Arabia Saudita, em países da África, nos Estados Unidos… Até quando a publicidade enganosa e os caríssimos esquemas de Relações Públicas e lobbistas da agroindústria conseguirão livrar o setor de responder por tantos crimes ambientais contra a humanidade.

O agro tem produzido secas, tem gerado conflitos nos campos, tem devastado florestas e tem contribuído como poucos setores sujos (ex: indústria do petróleo e de mineração) para o agravamento das mudanças climáticas no mundo todo.

Saiba mais:

“What California can learn from Saudi Arabia’s water mystery” – Reveal: https://bit.ly/3iYu9w4
“Draining Arizona: Residents say corporate mega-farms are drying up their wells” – NBC News: https://nbcnews.to/3j17EGK
“Agro Trends and Challenges” – FAO/ONU: http://www.fao.org/3/a-i6583e.pdf

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.