PL do veneno

[PL DO VENENO] Deputados ignoraram especialistas, seus alertas de envenenamento ambiental e de saúde pública, e colocaram na pauta o PL 6299/02 ontem. Aprovaram a mudança na lei com 301 votos a favor e 150 contrários. Agora precisamos pressionar para que o Senado não passe esse texto.

O QUE O PROJETO DE LEI MUDA?
Entre outras coisas, quer agilizar a entrada de novos venenos no país. Atualmente, o processo de registro dos agrotóxicos deve ser feito e aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e pelo Ministério da Agricultura. O projeto tira a Anvisa e o Ibama da jogada, deixando a cargo do Ministério da Agricultura, ou seja, dos ruralistas, a liberação rápida e até temporária de novos venenos.

MAS A LEI SENDO DO JEITO QUE É, O BRASIL JÁ É O PAÍS QUE MAIS USA AGROTÓXICO NO MUNDO!
Só no ano passado, 562 agrotóxicos foram liberados pelo governo Bolsonaro – quantidade maior que em 2020, que já tinha batido marca assustadora com liberação de 493 pesticidas.

O que significa ser o país que mais compra agrotóxicos proibidos no mundo? Brasileiros estão sendo usados para testes em humanos consumindo alimentos com índices de veneno muito acima do permitido em qualquer país. Não é só o povo que está adoecendo, nossos ecossistemas também. Feijão, arroz, café, trigo, milho, tomate, laranja, banana, batata, cenoura, pimentão está tudo envenenado. Rios estão envenenados. Peixes estão envenenados. O ar que respiramos está enveneado. A água potável está envenenada. Agrotóxicos já são encontrados na torneira de casa, na garrafa de vinho e até no leite materno. Todos nós, mesmo sem saber, consumimos em média cinco litros de veneno por ano, com 70% dos alimentos in natura contaminados. Os custos socioambientais para o Brasil com o uso de tanto veneno são gigantescos: estão envenenando o solo, as águas, os alimentos, os trabalhadores rurais, os brasileiros, além dessa política tornar os produtores rurais em dependentes químicos.

A Fiocruz e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) alertam para os perigos do uso de pesticidas e herbicidas para o fígado, coração, pulmão, malformações congênitas durante a gravidez, doença de Parkinson, câncer, neoplasias e até onda de suicídios entre trabalhadores intoxicados.

GOVERNO PAGA PARA ENVENENAR PAÍS
Sem qualquer razoabilidade, o lobby das farmacêuticas estrangeiras dentro do Congresso tem trabalhado pela liberação de cada vez mais venenos.
O produtor rural está viciado e o governo faz de tudo para o setor seguir sua dependência química. A bancada ruralista conseguiu até uma bolsa-veneno liberando produtores de pagar impostos na compra de agrotóxicos. Nada justifica 60% de desconto do governo para comércio de veneno no Brasil. Agrotóxicos geram doenças, mortes e degradação ambiental, tudo com alto custo para o país.
A pergunta que temos que nos fazer é: que modelo de desenvolvimento do atraso e da doença é esse? O que adianta estar entre os maiores exportadores de soja, gado e milho do país, quando o estado está falido e a população morrendo? Quantos mais exemplos reais serão necessários para que o próprio setor acorde. Por esse caminho, não há futuro.

Saiba mais:


Câmara aprova projeto que facilita autorização de agrotóxicos – https://glo.bo/3oIkH5J
Liberação de agrotóxicos em 2021 bate novo recorde na série histórica; maioria é genérico – G1: https://glo.bo/3lII9OR
‘Bolsa-agrotóxico’: empresas recebem isenções de impostos de R$ 10 bilhões ao ano – A Pública: http://bit.ly/37kXFq9
Presença de agrotóxicos em água potável do Brasil – FioCruz: https://bit.ly/2LfewWx
Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil – Larissa Mies Bombardi: https://bit.ly/2MY1o8J
Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde: https://bit.ly/39oI2AW
‘Epidemia de câncer’? Alto índice de agricultores gaúchos doentes põe agrotóxicos em xeque- BBC Brasil – https://bbc.in/39AANEJ
Pesquisa capixaba aponta agrotóxico em peixes e até em vinhos – Gazeta Online: https://goo.gl/uqzCaU

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.